Carnaval

A falta de dinheiro e tempo faz com que a Liesa já trabalhe apenas com o teste de som e luz do Sambódromo.


Em reunião  na sede da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), nesta quarta-feira, os presidentes das 13 escolas de samba do Grupo Especial discutiram os preparativos para os desfiles de 2020. A possibilidade dos ensaios técnicos  no Sambódromo esta muito longe de se tornar realidade, devido a falta de liberação de recursos financeiros, as obras na Marquês de Sapucaí.

- Não ter ensaio técnico é muito ruim. É importante para as escolas e como divulgação. Porém, a gente tem que entender que não temos recursos e o Sambódromo passa por obras. Pelo que está se desenhando vai ser muito difícil a gente conseguir viabilizar os ensaios. Podemos captar perto de 3,5 milhões para os ensaios técnicos, mas se captarmos e não fizermos será um prejuízo muito grande para empresas. A Riotur está prevendo liberar o Sambódromo para os ensaios no dia 10 de fevereiro e não daria tempo para viabilizar os ensaios técnicos. Estamos avaliando se será possível ou não fazer o teste de som e luz do Sambódromo, além da lavagem da Avenida, no dia 16 de fevereiro com a Mangueira, que ganhou o título em 2019. Não estamos descartando os ensaios, estamos aguardando o governador voltar de férias para ver se conseguiremos os recursos para escolas, através das empresas por meio da Lei do ICMS, e, se teremos também recursos para os ensaios técnicos, através da Lei Rouanet. Está tudo muito em cima da hora”, afirmou o presidente da Liga.
publicidade

Primeira Feira Mística
Parque das Ruínas




siga-nos